.Março 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Parabéns a Você...Hoje é ...

. Um Homem também Chora...

. Ele anda por aí

. Arte Popular ou nem por i...

. 17 anos depois...

. E começou a Campanha...

. "Não Exite!!!!"

. Sondagem pós-debate

. Anda cá ao pai!

. Boatos...

.links

.arquivos

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds

Quinta-feira, 18 de Novembro de 2004

Um Momento de Relax...ou não!

Infelizmente quer eu, quer o Jorge (e agora o Hugo), não tivemos muitas oportunidades para fazer algumas sugestões ao nível de livros, filmes ou música.
Mas, queria hoje aqui deixar este destaque...de música nacional...
Bem sei que existem leitores deste blog que detesta por um lado, um dos vocalistas desta música e por outro, também não aprecia a música...
Eu acho que é a música nacional do momento...bem, uma das músicas nacionais do momento...é com certeza...
Estou a falar do grupo Mesa e da música "Luz Vaga"...sendo que o single que está a rolar nas rádios é uma versão que tem a participação de Rui Reininho, goste-se ou não...eu continuo a achar que a música ganhou e muito com esta participação.
Curioso como sou, tentei descobrir a letra...mas tornou-se numa tarefa complicada, inicialmente...mas para que temos o Google...certo?
Assim sendo, vou resolver as vossas dúvidas e publicar aqui a letra de "Luz Vaga" e reza assim:

Luz vaga, luz vesga, a tua cruz
Já não sai da cama, a minha luz
Da sala, do quarto

Pilha a palavra
Troca a quantidade, do assunto modal
A tensão está normal
O lábio fora da boca,
A boca fora do mal

Os teus olhos não são de gente
O teu ar foge para cima
Tens a perna no cimento,
Tens a mão no pensamento

Ciclope, cicloturismo
Na parte de fora, na nesga do abismo
Imaginário que remete, para onde ainda não fui

Convite ao Universo
Com a tua própria câmara
Fecho a luz num olho
Prego a tábua à sensação

Som da casa, quando não estás...

Dancei para te ver aqui,
eu sei que nada mais pode me ajudar
É do nono andar? Sim
Quis pedir ajuda, mas a língua estava morta
Sei lá! Parei de olhar,
tenho uma corda acesa, prestes a queimar
Não és capaz de me levar a sério.
Vou saltar em teu lugar.

Sei que nada mais pode me ajudar

Atrasa o passo
Leva o lenço à boca
Fica na mira do choque frontal
Não é doença, é um animal
Um ruído feito no acto de fingir
seres mau, mesmo a dormir



Abraço
Filipe
publicado por Phil às 09:49
link do post | comentar | favorito
|